quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

"Crítica-Romance sobre poema"

O problema deste, bem velho, percebi que era o título: "Solário". As imagens ficam mais difíceis de serem unificadas - as idéias de
leveza, lentidão, delicadeza... a "lerdeza" mesmo de um dia solar numa piscina ou numa praia não aparecia com este título de maneira muito eficiente... apesar de "solário" também querer dizer "relógio de sol" - pensava na época que esse título iria fazer quem gosta de ver, ao invés de "entender", sentir o calor do sol na pele mesmo
... hum... acho que ainda vou manter o título... portanto, o poema ainda se chama



"Solário"


O peso d´águ

a

cabando com o tempo e

o corpo deitado

flutua no diáfano.


- Eu estou indo agora (a dez mil pés de civilidade).

- Vocêu? (cada

pétala

pesa tonelada)

- Como?


Troncos de palmeira

e pernas depiladas,

pássaros e as adolescentes

dobrando gazes nas coxas.


- Você não deveria estar aqui, deveria estar mascando Lucacks no alto de um Shopping Center.

Nenhum comentário: