terça-feira, 10 de maio de 2011

XCVII - o balde verde




desculpem, quem viu a foto d´um balde verde por aqui
é um desses contratempos escrever
e adormecer esquecendo o que prontamente deixou
para outros propósitos, é claro, aqui
é q utilizo às vezes o espaço deste blog
para postar em outro, outras coisas
que necessitam estar já na internet
para aparecerem por lá, questões técnicas do blogar
é louca essa situação
uma bem específica,
no mínimo de uma interpretação possível,
algo mallarmaico e plausível,
questão de dados e
(da(dos)da)
(dos)
também havia outro poema
que apaguei
vou precisar retrabalhá-lo
para ele não criar confusão
demasiada
não, não estou matando um poema, meus amigos
ele foi carinhosamente ventre-guardado
numa prática folha de word 2003
e lá vai ficar até uma boa revisada
tb tô é me poupando (só um pouco) da dor de cabeça
caríssimo público do espetáculo
acá iniciado neste mais que humilde espaço
e imensamente grato
por qualquer cabreiragem, cerveja,
reciclagem ou experiência
por aqui partilhad(os)a
o completamente louco e doido varrido escritor dessas linhas
não cansa de lhes agradecer a agradável e gentil visita, aqui debaixo do sapato



texto escrito por uma formiga















Nenhum comentário: