quinta-feira, 12 de agosto de 2010

XXXII - Gobbledigook Ave! Kairos-avança (Ave) ( Vento) (...)





8





Eis-nos

Peitos rufantes

E os olhos limpos

Entoando tal Hino

(o círculo)


:


AQUI


!




Onde o poeta viu

(tal como poetas fazem,

,como tigres,

se reconhecendo pelo cheiro)



“Lá onde em cada corpo vi gravatas

Lápides eloqüentes de um passado

Ou de um futuro argüido pelos anos

Lá cândidos leões alvijubados

Às brisas temporais se espedaçavam (...) ”



(não há

o que não

grão)

I cheios di vida i ímpar

I kon silissu simi (...)

Mi Seikilos

(...)


(desejo é nirvana


vagas de eivas

vazio

de relutância

do cio)


eternofeitoformaespírito

Aqui triunfantes

Eis, Chronos,

A vida

Tua filha

Molhada

Levando mais porra na cara

Cadê

Oh tempo!

A tua cara?

Vou fazer teu bigode

E colocar em meu queixo



Xiiiiiiii, Αίών

Tua filha é uma puta

Deixa

que eu meto (n´) ela no eixo




!






Gobbledigook





Vida -




pele INTERminável de











tudo








goza e nua









externaInterminá






véu tão óbvio






(só não visto nos olhos dos bobos)






seiva-sêmen



em veias




de tudo








Vida -



pele INTERminável de






tudo






O que cala a boca suja do Buda,



e joga as mortalhas



às malhas molhadas do tálamo










não há



o que não



grão








não há



nada que não deseja







desejo é nirvana



vagas de eivas



vazio



de relutância



do cio



certeza de eterna idade



o círculo



claro lúrido



úivo da carne



raiz





o círculo









Pele interminável


















8










Comentário: Ku Li Rin disse ao sensei-analista: porra, olha o que Lacan, afinal, diria duma fêmea, real-mente, e com toda razão: 8.

Ao que Ya Mu Cha respondeu: é, diz que é o quanto ela vale... aí ela dá, né?

A joven Li Fei, que terminava de abandonar o wakesa (roxo) por sobre o tan acertou um soco em Ya Mu Cha.































Nenhum comentário: