sexta-feira, 23 de julho de 2010

XLV
















d

o

mingo, 2 de ma

de 2




01

















0


















XLV




Ainda o pau nas escadas

Até hoje.
(Iria haver


Quinhentos posts publicados


Mas isso não funcionou)



De


Qualquer
forma,

Caríssimo visitante,


Eis


Mais uma vez


Das linhas da minha tez


Para as pontas dos dedos,


E para essas páginas de nada,


Outro pedaço de












nUveNs










































































:




























e
and

W(U)e




"Let the wind speak"



...




and the Gods are speaking













:




























NHA



























NHÃO



Que às vezes
nem cabe
na nossa cabeça.
Os pés
no chão
ENORME E PESADO DE TERRA BATIDA
meu deus! é o senhor
pequenininho-
GRANDE









em




todas


!

as




coisas



















































































e






dizem até, as más,

que foi o senhor, uma vez, que falou assim:

"erg(o)

am uma pedra


e lá estarei", enfim


Incrível como o senhor nos maneja

Oh! maestro da divina grandeza
Monta e desmonta todas as igrejas


E com que luxúria
colocaram na pedra ruim
teu nome de mentira (que nome se tem
debaixo de uma pedra, o ar?):



"pai das putas"




assim vêm te grafando

em nome da santa grana!

a santa grama que comem as putas americanas da casa branca




E











SOBRE ISSO DIREI MAIS:




Assim procede o mestre
ilumina primeiro (com um isqueiro, se necessário)
do alto de sua alteza
(com um porradão, com toda ruideza)
o lugar com menos luz













Comentário: Xam Poo teve seu cabelo torrado pelos senpai quando insistiu em treinar mais um pouco no zendo sem se livrar das identificações mundanas. Ele comia manju com o Roshi para comemorar seu período de "formatura", na ocasião.











Nenhum comentário: